4 motivos para se tornar um coworker


Clientes da A&F contam suas experiências com o formato. Confira!

Quando Ricardo decidiu seguir a carreira autônoma, não teve dúvidas de que o coworking seria o modelo escolhido. O advogado, que até então trabalhava em empresas tradicionais, passou a pesquisar os espaços em sua cidade e percebeu que usufruir de um ambiente compartilhado tinha tudo a ver com seu negócio. “Engana-se quem pensa que advogado se limita ao escritório full time. Com a questão da mobilidade que temos hoje em dia, a gente nunca fica só aqui ou ali”, conta após quatro anos como coworker. Atualmente, ele divide a rotina de coworking com o home office. “Aqui eu me impus uma rotina e tenho um trabalho específico que eu deixo para fazer. Consigo segregar meu tempo e ter mais flexibilidade”, explica.

A seguir, listamos quatro motivos para se tornar um coworker, partindo da experiência e relato do Ricardo e também do arquiteto Marcelo, ambos clientes da A&F Virtual Office. Confira:

Mais produtividade – menos interferência

Um dos principais receios de quem cogita o coworking é de que os ruídos gerados pelos outros coworkers atrapalhe a rotina de trabalho. Mas, segundo Ricardo, isso pode ser resolvido logo na escolha do escritório. “Identifiquei que existem vários tipos de coworking, dos mais descolados aos mais sóbrios e aí ficou fácil optar pelo que tinha a ver com o meu negócio”, orienta o advogado, que comemora contar com uma infraestrutura pronta, onde basta entrar e trabalhar. “Aqui na A&F eu não preciso me preocupar se a internet está com problemas, ou se a impressora quebrou. Tem outras pessoas que cuidam da estrutura pra mim”, considera sobre os benefícios.

Mais contatos – menos limitação

Compartilhar o ambiente de trabalho também pode ser uma forma de fazer contato com profissionais de outras áreas para discutir ideias e, até mesmo, trocar serviços. É o chamado networking, uma das principais características do coworking. Para Ricardo, o ambiente ainda estimula na postura do dia a dia. “Se eu estivesse em casa agora dificilmente teria trocado o pijama e acredito muito que a roupa pode influenciar o nosso estado de espírito. Quando coloco uma roupa adequada e venho pra cá, é como se virasse uma chavinha no cérebro”, aconselha.

Mais flexibilidade – menos burocracia

Outra grande vantagem do coworking são os pacotes de serviço mais flexíveis. Na A&F, em Atibaia, os clientes podem optar por estações fixas ou rotativas, além de horas em salas de reunião, lockers e serviços de escritório virtual – como atendimento telefônico, gestão de correspondência, endereço fiscal e comercial. “Na A&F encontrei um plano que se adequa ao meu bolso e ainda me oferece uma infraestrutura diferenciada. Se eu precisar atender um cliente aqui, vou ter um espaço digno para isso”, diz Ricardo.

Mais praticidade – menos gastos

Assim como Ricardo, profissionais de diferentes áreas também tem encontrado no modelo uma maneira de desenvolver o negócio sem arcar com os altos custos de montagem e manutenção de salas comerciais. Caso do arquiteto Marcelo, que trocou o escritório próprio pelo coworking há seis meses. “Como trabalho por projeto, o tamanho da minha equipe varia muito. No coworking consigo crescer ou reduzir meu escritório de acordo com o volume de trabalho. Se preciso de duas mesas, alugo pontualmente aqui na A&F. É mais flexível”, conta.


Saiba mais sobre a atuação dos clientes da A&F, entrando em contato!

Ricardo Nicotra – Advogado Cível | Consultoria & Contencioso Civil – ricardo@nicotra.com.br

Marcelo Augusto Bastos – Newcon Gerenciamento de Obras | Gerenciamento & Fiscalização de obras e projetos – marcelo@newcon.eng.br

 

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − dez =